saiba-como-comecar-uma-carreira-no-exterior.jpeg

Muitos profissionais têm como objetivo a construção de uma carreira em outros países. Seja porque as oportunidades de atuação no mercado são mais atraentes, seja porque esse estilo de vida favorece intercâmbios culturais e o aprendizado de novas línguas, essa pode ser uma boa opção de carreira.

Por onde começar se é esse seu objetivo? Como se organizar para ter uma carreira no exterior? Confira estas dicas:

1. Tenha em mãos um diploma universitário

Esse é o primeiro passo para quem pretende traçar uma carreira profissional no exterior. Afinal, a maioria de seus competidores por uma vaga em empresas transnacionais certamente terá completado a universidade. Os estudos superiores são um indicativo de sua instrução, pensamento crítico, capacidade argumentativa, entre outras habilidades que são desenvolvidas no contexto universitário.

2. Especialize-se em sua área de atuação

Para além do diploma de graduação, hoje em dia também é importante que você se especialize em alguma área de atuação. Afinal, o mercado de trabalho está cada vez mais competitivo, com pessoas de diferentes formações e currículos disputando as mesmas vagas.

A fim de se destacar, vale a pena buscar também cursos de pós-graduação, mestrado e doutorado. Quanto mais títulos e mais adequados eles forem para o mercado de seu interesse, melhores as chances de contratação.

Quem é formado em Direito, por exemplo, pode se especializar em Direito Internacional, ou Comércio Exterior, que são cursos de pós-graduação muito importantes para quem quer fazer carreira fora do Brasil.

3. Realize intercâmbios com experiência de estágio

Se, durante a graduação, você já sabe que quer ter esse caminho de carreira no exterior, vale a pena procurar algumas experiências de trabalho fora, especialmente durante as férias, ou até mesmo durante os semestres letivos. Intercâmbios com experiência profissional ou de estágio são ideais para isso.

Essa é uma forma de demonstrar para seus futuros empregadores que você tem experiência de trabalho internacional. Além disso, poderá aprender muito sobre a ética profissional em outro país, terá a oportunidade de aprofundar seus conhecimentos na língua local e ainda poderá estabelecer uma rede de contatos que será fundamental no futuro, quando você estiver procurando postos permanentes de trabalho.

4. Candidate-se a bolsas de estudo enquanto ainda está na faculdade

São várias as ofertas de bolsas de estudo no exterior quando se está na faculdade. Elas são das mais diversas origens, com diferentes propósitos. O governo brasileiro oferece bolsas de estudo para graduandos, assim como provavelmente o fazem os países em que você deseja estudar.

Também existem oportunidades em programas de apoio de instituições privadas, como a Fundação EstudarAIESEC e Santander Universidades. Vale a pena visitar seus sites, conferir os pré-requisitos de cada programa e já se programar para colocar esse tipo de experiência em seu currículo.

5. Invista no aprendizado de línguas estrangeiras

Exceto se você pretende ter uma carreira em Portugal ou outro país lusófono, é imprescindível ter fluência em alguma língua estrangeira para atuar no exterior. Na maioria das oportunidades, essa língua será o inglês, mas também é possível encontrar postos de trabalho para profissionais fluentes em francês, espanhol e alemão, entre outras línguas.

Além disso, o vocabulário profissional costuma ser mais técnico e específico da área de atuação, o que exige mais estudos. Por isso é tão importante que você já saiba o destino para o qual quer direcionar sua carreira. Assim, você investe nos estudos da língua estrangeira exigida e se gradua com maior fluência nela.

6. Prepare-se financeiramente para esse tipo de experiência

Nem sempre seu primeiro posto profissional no exterior será aquele emprego dos sonhos. É possível que você comece como trainee, ou até mesmo em uma experiência de trabalho voluntário.

Essas experiências, apesar de não recompensarem tanto financeiramente, podem abrir várias portas profissionais, porque são uma forma de você demonstrar suas competências, fazer contatos profissionais importantes e eventualmente ser contratado.

Para se sustentar nesses primeiros momentos de uma carreira fora do Brasil, é preciso ter segurança financeira. Ao decidir por esse tipo de experiência, procure economizar dinheiro, ao menos para os gastos mais substanciais dessa jornada, como para a obtenção de vistos, compra de passagens, gastos com estadia nos meses iniciais e alimentação, entre outras despesas.

7. Pesquise diferentes ramos de atuação para uma carreira no exterior

Uma vantagem de atuar no exterior é que algumas áreas de atuação lá fora já são mais desenvolvidas que no Brasil. O leque de opções profissionais é maior, principalmente se você tem as qualificações necessárias.

Assim, vale a pena pesquisar com antecedência as diferentes áreas de atuação de cada ramo profissional. Pode ser que você se surpreenda com a variedade de postos disponíveis, tipos de carreira e oportunidades em aberto.

O mais importante é que você não se limite às opções que já conhece e com as quais já está acostumado no Brasil. Inclusive, a transição profissional entre áreas e multidisciplinar é muito mais comum no exterior do que por aqui. Assim, você pode ser um advogado e trabalhar em corretoras de valores mobiliários, se formar em bioquímica de produtos e trabalhar com desenvolvimento de pesquisas acadêmicas, entre outras opções. Não se restrinja!

8. Diversifique sua experiência profissional e acadêmica

Por falar em multidisciplinaridade e transição entre áreas profissionais, essa é outra qualidade profissional muito valorizada lá fora. Tem mais chances de sucesso e contratação um profissional que não se limita apenas a uma área de atuação, buscando opções de estudo e experiência nos mais variados ramos.

Isso ocorre porque o mercado de trabalho hoje em dia é dinâmico, com desafios complexos. A diversidade no ambiente profissional proporciona maior variedade de ideias e diferentes perspectivas para a solução de problemas.

Assim, muitos processos seletivos de empresas valorizam profissionais que tenham um currículo mais variado, com estágios em áreas distintas, trabalhos voluntários e outros interesses para além do lugar comum da área. Ou seja, atualmente é essencial ser um profissional polivalente, especialmente se você quer começar uma carreira no exterior.

E você? Já se preparou para traçar uma carreira no exterior? Compartilhe este texto nas redes sociais e ajude seus amigos a se preparar!

5 segredos da gestão de tempo para estudantes

Deixe um comentário