politica-nas-redes-sociais-9-dicas-para-nao-exagerar-na-discussao.jpeg

É, 2016 foi o ano das discussões sobre política nas timelines das redes sociais. Bastava um único post com uma certa tendência política para a discussão começar. 

E alguns motivos serviram de lenha para essa fogueira: eleições, deputado que cuspiu no outro, deputado que invocou torturador em discurso, impeachment da ex-presidente, Operação Lava Jato, caso do tríplex, sítio em Atibaia, fraudes no Metrô de São Paulo… Foram tantas as situações e escândalos que nem dá para contar!

O fato é que isso mexeu com as redes sociais. E discutir política nelas ainda tem causado consequências desastrosas na vida de bastante gente. Esse tipo de opinião, quando não é comedido, desfaz amizades, causa brigas e até o afastamento de certos familiares. 

Em alguns lares, as discussões chegaram ao ponto de provocar até agressões físicas! Assim, uma parcela considerável da nossa população substituiu os argumentos por intransigência, radicalismo e falta de respeito.   

Então, vamos falar de política nas redes sociais? Continue lendo e confira estas 9 dicas para não exagerar na discussão!

Discutir política nas redes sociais? Sim ou não?

As redes sociais se transformaram em imensas mesas redondas, em que se discute política de uma forma tida por muitos como “democrática”. Todos dão suas opiniões, do jeito que querem, e elas ficam expostas na timeline para serem curtidas, comentadas ou compartilhadas. 

Tudo parece ser muito bonito. Todos nós temos o direito de opinar, não é verdade? Estamos num ambiente “democrático”, e participa quem quiser. A liberdade de expressão existe para isso. Contudo, não podemos esquecer que o nosso limite termina quando começa o do próximo.

O fato é que nem todas as pessoas sabem receber uma crítica, independentemente de ela ser construtiva ou não. E é aí que encontramos a gotinha azeda de limão que cai no olho das pessoas: surge o debate caloroso, amargo e cheio de rancor.

As pessoas não precisam concordar umas com as outras, mas é fundamental que todas saibam respeitar o espaço de cada uma, assim como o que é dito.

De fato, é saudável discutir política nas redes sociais, assim como fora delas. Ideias, pontos de vistas, aspectos que precisam melhorar e propostas podem (e devem) ser discutidos. Basta evitar o surgimento de polêmicas baseadas em ofensas, preconceitos e falta de respeito.

Ok, entendi. Mas como não exagerar na discussão?

Citamos alguns pontos importantes no tópico acima, para que você possa refletir e avaliar o seu comportamento antes de entrar em uma discussão. Agora, vamos dar outras dicas de como não exagerar na discussão. Confira!

1. Não confunda veículo de imprensa com time de futebol

Suas opiniões se limitam somente a um veículo de imprensa? Não cometa esse erro. Leia mais de uma revista, mais de um jornal ou mais de um portal de notícias.

Lembre-se: não existe Veja versus Carta Capital. Então, opte por quem diverge opiniões — assim, você consegue ver todos os lados diferentes e consegue tirar suas próprias conclusões.

2. Pare de ler só as manchetes!

É cada vez maior a quantidade de pessoas que ignoram as notícias completas e criam sua opinião apenas com base na manchete que estão lendo. Mas as manchetes são tendenciosas propositalmente, pois são a maneira que os veículos da imprensa encontraram para chamar sua atenção.

Por isso, o problema está em ler apenas a manchete, tirar conclusões precipitadas e correr para o Facebook para postar. Tome cuidado! Manchetes nunca contam toda a história, e dentro das reportagens pode haver muitas pegadinhas que vão queimar o seu filme.

3. Além de ler a mídia tradicional, leia a alternativa

Hoje, a internet nos proporciona o poder da escolha. Além de ler a mídia tradicional — ou seja, Folha de São Paulo, Estadão, O Globo, Zero Hora, Veja e afins —, você também tem a possibilidade de ler artigos tão bons, ou até melhores, da mídia alternativa.

Você conhece o Observatório da Imprensa, por exemplo? Ele reúne artigos excelentes, que discutem a atual situação política do país em seus mais diversos vieses. 

A mídia tradicional produz em escala industrial, pois eles precisam vender. Já a mídia alternativa consegue discutir mais, e exibir outros pontos de vista. Acompanhando as duas, você consegue formar uma opinião mais coesa ao acompanhar os dois lados.

4. O que você curte colabora com a criação do seu feed

É fato: comece a curtir cachorrinhos fofinhos e poste um vídeo de filhotes brincando. Em pouco tempo, ao atualizar sua timeline, você vai perceber que esse tipo de post começa a se tornar mais frequente. Isso é o Facebook aprendendo mais sobre você!

Por isso, ao invés de ficar focado em páginas e pessoas que emitem opiniões divergentes das suas, procure curtir publicações que estejam mais de acordo com a sua linha de pensamento. Isso evita que você queira discutir constantemente.

5. Ao invés de partir para a agressão, apresente fatos

O velho ditado que diz “contra fatos não há argumentos” faz todo sentido nessa hora. Durante as discussões, você pode rebater críticas com fatos, ao invés de usar palavras de baixo calão e ofensas, por exemplo.

Isso é bem simples, mas mostra o quanto você consegue ser centrado, respeitoso e bem informado.

6. Errou? Saiba reconhecer

Quem está nessa fase de discutir política nas redes sociais costuma praticar um exercício diário e constante: buscar os erros dos outros. No menor sinal de equívoco, o “fiscal de comentários” surge e te avisa que você está bem enganado.

Mas, se isso acontecer, saiba reconhecê-lo: admita seu erro e seja humilde. Isso é bom para você e para todos que estão a sua volta, além de evitar grandes brigas.

7. Tolere a existência de veículos e pessoas que você discorda

Sim, eles existem! Aliás, imagina que chato seria o mundo se todos concordassem com o que você diz. Ninguém teria opinião própria!

Então, tolere a existência de pessoas e veículos que emitem opiniões diferentes das suas. Deixe que eles falem, e não caia em provocações. E aproveite a oportunidade para se aproximar dos que pensam como você.

8. Pare de aporrinhar quem discorda de você

Dissemos que eles existem, mas você não precisa ser um deles. Afinal, não tem coisa mais chata: bastou um post com uma opinião sobre política nas redes sociais, e o “fiscal de comentários” já chega com o seu textão pronto e o discurso inflamado. 

Então, não seja essa pessoa. Todos já entenderam qual é o seu posicionamento. Não precisa repeti-lo à exaustão, certo?

9. Pratique o “deboísmo”

Enquanto a discussão está acalorada nas redes sociais, é bom lembrar que o alvo delas (leia-se: os políticos) estão no bem bom de suas vidas, protegidos por uma infinidade de leis e privilégios que nós, meros mortais, nem sonhamos em ter.

Mas isso não significa que devemos parar de falar no assunto. Muito pelo contrário: discuta sim! Apenas não se deixe levar pelo sangue quente que corre em suas veias e o impulso de atacar os próximos. Então, caso alguém te provoque, pratique o “deboísmo” e relaxe!

E aí, gostou das dicas? Então, vá para as suas redes sociais discutir política — mas não esqueça de aplicar estes conhecimentos. E aproveite que está no Facebook e curta a nossa página por lá!

 

5 segredos da gestão de tempo para estudantes

Deixe um comentário