como-planejar-a-sua-carreira-profissional-em-tempos-de-crise-economica.jpeg

Tempos de crise econômica podem ser assustadores para quem já tem uma carreira profissional sólida e estabelecida. Imagine, então, para quem ainda não entrou no mercado de trabalho ou quer crescer dentro da própria profissão. Esse é o seu caso?

Então, este material é para você. É que a crise pode até dar medo, mas é preciso deixar o temor de lado, porque é possível ser racional e pensar na construção de uma carreira independentemente do cenário econômico. Como tudo, uma boa dose de planejamento vai bem para driblar as dificuldades e aproveitar as oportunidades que surgem.

Afinal, “crise é oportunidade”, como dita um dos mandamentos da administração, e acreditar nele pode ser um primeiro passo rumo a uma nova vida e uma carreira profissional de sucesso. O importante é começar a se mexer desde já, com ou sem crise. Quanto antes você conseguir implementar melhorias no seu currículo, maiores a suas chances de se colocar no mercado em uma boa posição.

É por isso que separamos uma série de dicas importantes para ajudar você a alcançar seus objetivos. Entre os temas, estão assuntos diferentes entre si, mas que vão levá-lo até seu objetivo. Você vai ler, nos tópicos abaixo, os passos necessários para seu crescimento profissional, além de saber como estabelecer metas para sua carreira, como fazer um planejamento financeiro para chegar lá, como se qualificar gastando menos, entender qual a importância do networking, como o ensino a distância pode ajudar e mais!

Preparado para crescer nos tempos de crise? Vamos lá!

Como fazer e a importância de um planejamento financeiro e de carreira

A exigência do mercado de trabalho é cada vez maior, em um cenário em que a concorrência só aumenta. Na disputa pelas melhores vagas, quem é mais qualificado sai na frente. Conhecer mais de um idioma, cursar uma graduação ou pós-graduação, para citar alguns exemplos, certamente fazem a diferença na busca pelo aprimoramento profissional. Procurar esses diferenciais que possam te destacar dos demais é a ordem do dia para progredir.

Como qualquer outro investimento, essas iniciativas exigem uma estratégia. O primeiro passo é observar o mercado e avaliar quais melhorias no seu currículo poderão ser reconhecidas e recompensadas no futuro. E não vale simplesmente ficar parado, sonhando com o curso que poderia mudar sua vida profissional. É preciso tirar o plano do mundo das ideias, colocando no papel metas específicas, com passos bem delimitados, mensuráveis e com prazos estabelecidos. Mas, calma, vamos chegar lá, ao longo deste artigo.

Por enquanto, é importante saber que quando você tem um planejamento estruturado e bem definido, alcançar seu objetivo se torna mais fácil. Nem tudo poderá sair exatamente como colocado no papel, mas é preciso ter em mente onde se quer chegar para ser possível traçar o caminho até lá. Efetivamente, muito melhor do que só contar com a sorte, concorda?

Organizando as finanças

Bem, definidos os primeiros passos no seu plano para a carreira, ou seja, escolhido seu objetivo principal, outro planejamento deve ser feito em paralelo: como organizar as suas finanças para executá-lo. É que, na maioria dos casos, será necessário um suporte financeiro para arcar com esse novo investimento nos estudos.

Em épocas de crise, é importante pontuar, o crédito se torna mais caro, então, se você for escolher um financiamento, esteja atento às taxas de juros e no prazo para o pagamento. Pode ser que não compense. Por isso, no lugar de pegar o dinheiro emprestado em instituições financeiras, o melhor é se organizar para bancar seus estudos sozinho. Ter iniciativa é fundamental quando o momento econômico não é muito favorável.

Acha que não é possível? Claro que é! A palavra-chave, neste caso, é economizar. Pisar no freio e controlar os gastos pode liberar os recursos extras que você vai precisar no seu aprimoramento acadêmico e profissional. Ao fazer as contas, deixe-as bem organizadas, para ser possível separar os gastos que realmente são necessários e os outros, que podem ficar para depois ou até ser eliminados. Existem, inclusive, ferramentas prontas na internet para ajudar nessa tarefa.

Faça uma análise do seu orçamento e identifique onde é possível cortar “gordurinhas”, mas sem tantos sacrifícios ao ponto de afetar sua qualidade de vida. Muito pode ser feito com pequenas mudanças de hábito, como passar a comer mais em casa, cortar gastos supérfluos, economizar água e energia. Pense que você estará trocando todas essas coisas por um futuro profissional muito mais promissor. Ter foco ajuda a manter a linha, nesses casos.

Atenção: é comum se esquecer de que a educação não leva em conta somente as mensalidades do curso que você escolher. Procure acrescentar no planejamento os gastos a mais, como a compra de material (livros, apostilas), o deslocamento até a instituição de ensino e outras despesas extras. Uma margem de contingência para imprevistos também é bem-vinda.

Como estabelecer metas?

Aproveite que estamos no começo do ano para definir as ações que deverão ser postas em prática. Quando existem metas para ser cumpridas, até a crise perde um pouco da importância, porque você estará focado. Elas funcionam como degraus até seu objetivo principal, ajudando a manter a motivação. Cada degrau vencido significa estar mais próximo do que você quer alcançar.

Ao elaborar suas metas, tenha em mente que elas precisam ser simples e específicas. Por exemplo, você pode estabelecer como um objetivo ser aceito em um programa de trainee ou ser promovido para determinado cargo dentro da empresa. O que é preciso fazer para alcançar esses desejos? Se enquadrar no que a empresa espera dos profissionais, estudar, conversar com os responsáveis e, claro, se candidatar às vagas assim que elas surgirem. Essas, então, serão suas metas. Entender o que o mercado espera para o futuro é primordial para estabelecê-las.

E só quem já cumpriu um planejamento pessoal sabe: poucas coisas são tão compensatórias como atingir as metas estabelecidas por você mesmo, em busca de um objetivo. E o seu, de vencer no mercado de trabalho, é um dos grandes. Então, mãos à obra nas metas! Veja as dicas abaixo para planejá-las:

Seja realista

Ao estabelecer suas metas, é necessário refletir se elas são de fato realistas. Isto é, se elas são possíveis de ser realizadas dentro das suas capacidades, ao longo do planejamento. Observe que essas metas não devem ser fatores de estresse, pelo contrário, devem ajudar na tarefa de chegar até o seu objetivo, mantendo-o centrado e motivado no caminho até lá.

Estabeleça tarefas

Para cada meta estabelecida, é possível desdobrá-la em tarefas. Quer um exemplo? Se sua meta for dominar o inglês, as tarefas necessárias para isso serão estudar, se dedicar e praticar a língua, assistindo a filmes, na internet ou quaisquer outros meios de aprimoramento. Você decide como chegar lá, mas vale lembrar que uma boa gestão de tempo vai ajudar a cumprir o que for determinado. Encontrar as horas necessárias para se dedicar a essas atividades é nada menos do que fundamental na sua programação semanal.

Priorize

As metas profissionais devem estar alinhadas e caminhar juntas. Mas existem algumas que devem ser concluídas antes de outras — como falar inglês primeiro, antes de arriscar aquela entrevista para trainee que exige essa habilidade. Ter uma sequência lógica de metas é importante para saber o que fazer a cada etapa do planejamento.

Defina prazos

Se o seu objetivo maior é de longo prazo, é preciso estabelecer metas intermediárias. Supondo que seu objetivo final seja concluir uma graduação (longo prazo, certo?), existem outras tarefas menores que você pode cumprir enquanto cursa a faculdade. Estabeleça, por exemplo, que em determinado número de semanas você vai aprender novos conteúdos paralelos ao da faculdade, fazendo cursos livres, frequentando palestras ou estudando por conta própria, melhorando assim seu repertório profissional. Parece razoável para você?

Prazos estabelecidos em semanas costumam funcionar melhor do que meses ou dias, mas isso varia conforme a sua necessidade. O importante é delimitar um espaço de tempo para cumprir as metas e as tarefas que elas geram, deixando-o cada vez mais próximo do seu objetivo final.

Mensure

Estabeleça critérios para avaliar seu progresso em relação às metas. É importante notar se elas estão sendo alcançadas, e o que você pode fazer para melhorar seu desempenho.

Cumpra

Parece óbvio falar em cumprir as metas que você mesmo estabeleceu. Mas lembre-se da sua última lista de resoluções para o Ano Novo: quantas delas você realmente colocou em prática? Pois é, a maioria das pessoas pode até pensar em metas, mas poucas vão até o fim e conquistam o que desejam. Faça um esforço para estar nessa minoria, porque vai valer a pena!

Seja flexível

De tempos em tempos, como a cada semestre, pare para pensar se as metas ainda fazem sentido dentro do seu planejamento ou se está na hora de revê-las. Mas só mude se assim achar necessário para alcançar o que você quer.

Ensino a distância como alternativa

Colocando em perspectiva tudo o que foi falado até aqui, você deve ter concluído que a busca por uma melhor qualificação é mesmo a melhor estratégia para driblar a crise e garantir um crescimento profissional. O problema é encontrar uma forma para que os estudos se conciliem com o trabalho e também para que as mensalidades caibam no bolso. Essas três variáveis (qualificação, tempo e preço) nos levam até a ensino a distância (EAD).

Sim, porque a principal vantagem dos cursos EAD é a flexibilidade que eles proporcionam. O conteúdo trabalhado, ou seja, a grade curricular, e a qualificação que eles oferecem são exatamente iguais aos dos cursos tradicionais. O diploma, reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC), também não tem diferença. O que muda é que você estuda pela internet, quando e onde puder, de acordo com seus compromissos, e não precisa se deslocar até a faculdade todos os dias. Ótimo, né?

Outro aspecto positivo e muito bem-vindo em tempos de crise é o preço: os cursos a distância custam até um terço do valor do que cobram os presenciais, já que a faculdade não precisa dispor de uma infraestrutura física permanente para atender o aluno. Os custos extras também não existem, como o transporte diário (lembra que falamos dele no tópico do planejamento financeiro?) e o gasto com material didático, porque a instituição de ensino normalmente disponibiliza tudo o que o aluno precisa no formato digital, além do acesso a uma biblioteca virtual. Bastam um computador e o acesso à internet.

E já que o assunto aqui é crescimento profissional, cabe destacar algumas vantagens competitivas que os alunos formados via EAD apresentam no mercado de trabalho: maior autonomia e iniciativa, características muito desejadas pelas empresas atualmente.

Agora, você deve estar se perguntando como o mercado de trabalho enxerga profissionais formados via EAD. Até um passado recente, ainda existia certo preconceito de quem contratava, por puro desconhecimento. Mas com o crescimento e consolidação deste tipo de ensino, estas posturas têm sido revistas. Portanto, sim, o investimento na formação a distância vale a pena para seu futuro profissional.

Dicas para encontrar cursos em conta

Na hora de definir como você vai se qualificar, pesquise bem o mercado e procure uma instituição que tenha um bom custo-benefício. É importante escolher aquela que se adeque à sua capacidade financeira (e o seu planejamento vai contar muito para isso), mas não se pode deixar de lado a qualidade, porque isso será cobrado lá na frente, no mercado de trabalho. Lembre-se de que tão (ou até mais) importante do que ter o título impresso no currículo é ter a qualificação necessária para se destacar na prática. Só se cresce mostrando eficiência! E isso se torna muito mais urgente diante da crise.

O mercado da educação é vasto e existem inúmeras opções de instituições, desde universidades muito caras até as que, por terem um grande número de alunos, podem cobrar mensalidades mais baratas. Trazendo esse universo tão grande para o seu contexto financeiro, nem sempre o mais caro é o melhor, assim como nem sempre o mais barato será o pior.

A faculdade pode se destacar, por exemplo, pelo modelo pedagógico, pelo uso da tecnologia ou pelo corpo docente, nem sempre cobrando um preço astronômico por tudo isso. A principal dica para economizar é, claro, pesquisar, observando todas essas questões de qualidade.

Afinal, a internet está aí, à disposição de todos, para isso mesmo.

Como palestras podem ajudar?

Até aqui, falamos da qualificação acadêmica, aquela que você adquire fazendo uma faculdade ou pós-graduação, por exemplo. Mas é possível completar sua “caixa de ferramentas” de habilidades com outras melhorias também importantes para o mercado. Existem capacidades muito valorizadas e que se destacam em épocas de crise, que podem ser aprendidas de várias formas, inclusive assistindo e participando de palestras e workshops.

Estamos falando de expertises como ser hábil em trocar conhecimentos com outros profissionais, saber planejar e inovar, além de demonstrar uma postura colaborativa dentro da empresa. Você até pode ter algumas dessas características inatas, mas é importante aprimorá-las e saber vendê-las ao mercado. Existem palestrantes especialistas nessas habilidades e que podem ajudar a desenvolvê-las.

Também por meio das palestras, o profissional pode se atualizar sobre sua área de atuação, saber mais sobre o futuro do mercado, adquirir novas perspectivas e ampliar seu conhecimento. Procure se informar sobre a realização deste tipo de evento, que tenha como tema um assunto que seja do seu interesse. Existem, inclusive, opções grátis. Pesquise na internet, fique de olho em cartazes e folhetos que você recebe no trânsito, procure informações com conhecidos e professores.

Claro que muitas dessas palestras podem ser encontradas em vídeos na internet, mas procurar participar de eventos presenciais na sua cidade pode ser importante, principalmente para conhecer outros profissionais e fazer novos contatos, o que nos leva a um novo tópico.

Faça um bom networking

Certamente você já ouviu falar em networking. Mas você sabe o que ele significa e como ele pode ajudar nos tempos de crise? Primeiramente, se trata da construção de uma boa rede de contatos profissionais, o que não acontece de um dia para o outro. Muitos especialistas, inclusive, chamam o networking de “capital social”, tamanha sua importância.

É por meio das suas relações que você consegue estabelecer seu nome no mercado de trabalho e ser reconhecido. Com uma boa rede de contatos, conseguir a tão almejada oportunidade de crescimento é bem mais fácil, porque você pode ser indicado ou ser informado de novas vagas. Boas redes são marcadas pela reciprocidade, confiança e cooperação.

A verdade é que quase todo mundo sabe disso, mas poucos colocam o fortalecimento dos laços com outros profissionais como prioridade em seus planejamentos. É importante perceber que a qualidade dos seus vínculos é que determinam a força e a longevidade deles, ou seja, até onde você pode chegar. Buscar esse envolvimento, do ponto de vista do crescimento profissional, passa então a ser primordial.

Como fazer isso? Veja algumas dicas:

  • Ao conversar com outros profissionais pela primeira vez, tente ouvir mais e falar menos, mas tenha (e demonstre) interesse genuíno no que eles têm a dizer, fazendo perguntas que mantenham o diálogo interessante;

  • Quando se deparar com eventos que possibilitem o networking, como as palestras e os workshops do tópico anterior, saia da sua zona de conforto. É comum procurarmos um grupinho fechado, formado somente por conhecidos, mas buscar se apresentar para outras pessoas é importante para sua carreira;

  • Use as redes sociais para se conectar a profissionais que conhece (o LinkedIn é ótimo para isso), mas não dependa somente delas para manter o relacionamento;

  • Faça questão de trocar experiências. Se surgir um tópico interessante em uma conversa, por exemplo, envie posteriormente um artigo com um conteúdo que possa acrescentar ao assunto. Assim, você vai naturalmente fortalecendo o seu laço;

  • Mantenha a comunicação frequente, lembrando inclusive dos aniversários dos seus contatos. Quando isso acontecer, escreva uma mensagem autêntica, demonstrando como esse relacionamento é importante para você. Naturalmente, com um pouco de prática, seus laços pessoais e profissionais vão se estreitando;

  • Uma regra de ouro é lembrar-se de que o mercado de trabalho é muito dinâmico, então não importa se você enxerga determinado profissional como um concorrente hoje, ele também é importante como um contato na sua rede. Amanhã, vocês poderão trabalhar juntos, ele pode vir a ser seu chefe ou subordinado — quem sabe? Em toda circunstância, ter bons relacionamentos é útil.

Como aproveitar tempos de crise

Em momentos de economia difícil, as empresas buscam profissionais que contribuam com eficiência e produtividade nos negócios. Isso significa produzir mais usando menos recursos e em menor tempo. Ser capaz de entregar o que elas querem, portanto, é conquistar uma garantia maior de crescimento profissional. E como vimos, a qualificação é parte indissociável disso.

Aproveitar a crise é, portanto, é sair do convencional, se vendendo ao mercado como um profissional capacitado, pronto para ajudar. E não importa se você fará isso em um cargo alto, como um diretor, ou como um trainee: todos estão no mesmo barco enfrentando a maré contrária, e todos podem crescer ao fazer isso adequadamente.

Tenha um planejamento bem definido, com metas detalhadas, se dedique de verdade, se desafie continuamente. O importante é nunca deixar de investir em você. Confie nisso, porque o mercado naturalmente seleciona os melhores profissionais.

No artigo de hoje, você viu como o planejamento de carreira pode ser importante para enfrentar uma época de crise financeira. Aprendeu como estabelecer suas metas para chegar onde você quer e teve acesso a tópicos importantes para o seu desenvolvimento profissional.

Além do aprendizado, fica a reflexão de que é sempre possível buscar o crescimento pessoal e profissional, mesmo que o cenário não seja tão favorável. A história prova que momentos de crise vêm e vão. Se hoje passamos por um momento turbulento, daqui um tempo os indicadores melhoram. Por isso, também, é preciso estar atento.

Quem não se deixa abater e nem se retrai durante a crise, com toda a certeza, estará mais preparado para lucrar com os tempos de bonança. Certamente, à frente de quem não se mexeu. Por tudo isso que você acabou de ler e de aprender, fica o convite: o que você está esperando para começar já?

Ah, e se você gostou deste artigo, vai curtir este outro material, que traz 25 dicas para aprender o que você quiser, quando quiser.

5 segredos da gestão de tempo para estudantes

Deixe um comentário